quinta-feira, novembro 15, 2007

Eu não sei chorar como o mundo chora
Sinto forte minhas dores
Mas não as traduzo em lágrimas

Simplesmente vivo

E por que lágrimas? Para quê me serviriam?
Se a viagem ainda é longa, Se lágrimas ofuscam a visão

Eu não sei amar como o mundo ama
Amores, vivo-os intensamente
Mas por eles não luto, Simplesmente os deixo fluir

E por que lutar? Por que subjugar, dominar
Se lutas deixam feridas e feridas dificultam o caminhar

Eu não sei prender como o mundo prende
Faço-me cumplice da tal liberdade
Que nos permite chegar e partir

E por que prender? Se prender nos faz perder
E perdedores não podem caminhar

Eu não sei querer ficar quando o ideal é partir
e porque ficar? Se há novos sóis la fora
Se novos sóis iluminam o caminhar
Eu simplesmente seguirei vivendo...
Eu do mundo nego-me a ser aprendiz

5 comentários:

JC disse...

Ana, surpreendente Ana!

Carlos da SIlva disse...

Mathaya
eu continuo muito impressionado com sua escrita tão real, tão você mesmo, e cada dia uma escrita mais simples, mais madura. Admiro.
Carlos da Silva

L.S. Alves disse...

Anna passa lá na Máquinda de Letras. Deixei um negócio pra você.
Um abraço.

MESUMAJIKUKA disse...

Ana simplesmente Ana.
Eu também renuncio a ser aprendiz... mesmo quando a vida se torna difícil... vou ensaiando coisas "vistas e ouvidas". Passei pra te dizer que estou atento.
Vá lá. Agora é www.mesumajikuka.blogspot.com

L.S. Alves disse...

Ana feliz natal e um 2008 repleto de felicidades pra você.
Um abraço.