sábado, julho 25, 2009

CONTAGEM REGRESSIVA 7/2 ...reflexões no dentista



A decoração do consultório é especial: uma mistura de Alice no País das Maravilhas e de Floresta Aquática, concentro-me nos peixinhos da última e partilho boas recordações de infância: as de quebrar quadradinhos de gelo com os dentes, deliciar-se do gelo fofinho recolhido das paredes do freezer, digo, da arca, longe do conhecimento de que mudanças bruscas de temperatura desencadeiam reacções pulpares que provocam lesões permanentes nos dentes... a atendente simpática interrompe meu diálogo com os peixinhos e me encaminha para o consultório 2, para a cadeira do dentista. Instalo-me e poucos minutos depois chega a dentista branca e de branco -hola como te ciente? Começa então o abre e fecha de boca... o ruído ensurdecedor do berbequin, e a conversa de sempre - se ciente algo me avise, cierto? Porque não dizem logo se sentir dor me avise? e como avisar com a boca totalmente lotada: um sugador, uma broca, um espelho colher e mais dois dedos..., mas porque os dentes tem terminações nervosas?? seria tudo mais fácil e menos doloroso se não tivessem. De olhos fechados -ja cansados de tanto tecto ver- me questiono do porque de ainda não terem inventado berbequins brocas silenciosas, além de brocas silenciosas, televisores com projecção de tecto, e com protecção especial do foco de luz que incomoda a vista... senhora - interrompe a mulher de branco - vamos começar el lazer - ganho então belíssimas mawanas odonto paraguayas, e começam os longos e sofridos 27 minutos de... um piano em busca de teclas mais brancas e perfeitas...

3 comentários:

MESU MA JIKUKA disse...

Que recordações. Uma grande e escelente viagem ao passado... Que venhas outras memórias que comigo se identificam...

L.S. Alves disse...

Anna que sua dentista seja competente e responsável para que você saia de lá melhor do que entrou. Espero que não sofras muito e que teus dentes estejam bem. Um abraço moça.

L.S. Alves disse...

E você aqui no Paraguai tão pertinho. Essa viagem tem escala no Brasil?
Um abraço moça.