terça-feira, novembro 24, 2009

MINHA VIDA, em sons e tons


Tenho 35, e não sei porque
Tenho mania de pensar e dizer que tenho 36
Outro dia me olhei no espelho, fio a fio e não vi nenhum branco
Se surgirem vou curti-los
E deixar que virem gotas douradas
Sob o acastanhado chão do couro cabeludo

Eu nasci em Carmona (ainda era Carmona!)
Mudei para Luanda, Morei em Belém
Morei em Belo Horizonte, hoje Luanda de novo
Um dia sonhei que morava em Istambul (eu nem conheço!)

Da leda infância:
Violante , Sabedoria, José Manuel
323… Sinto saudades
Até da Palmira (me atormentava!)
Depois veio a Preparatória
A Gloria, Amélia Lau
Regina…E no Mutu a Eunice
A Rosa, A Catharina
Do IMEL
A Flora que escolheu morar na neve
A Analeth, politizada, O Luís - poço de inteligência!
A Tina, essa antecipou-se e foi ao Céu
Uma semana antes do tão esperado diploma

E eu, eu fiquei na fila
Da UFPA, a UFMG, do STBE até PUC/Minas
Isso para não falar do 16.642 da UAN,
Eu ainda lembro, e como lembro!

Da minha mãe a saudade
Outro dia lembrei dela (lembro sempre)
E de seu saquinho com vários remédios
E dos milongos na gaveta da Oliva
Aquela Oliva que fazia nossa felicidade
Nuns natais com vestidos de rendas e laços
Mãos de fada, as da minha mãe!

Ainda não tenho a idade dela
E já tenho um estojo maior
Predinisolona, Salbutamol
Loratadina..os anti histamínicos...
Milongos não tenho, mas, tomo mel natural, folhas de eucalipto
E canela, a noite, e já não uso vestidos de laços, uso calças yessica

Ah sobre aquela trilogia:
Livros
Escrevi um monte de páginas, e perderam-se
Em hardwares e em folhas caídas ao vento
Porem algumas adormecem em mim
Árvores
Eu vim do campo
E devo ter plantado varias árvores
Mas o abacateiro lá do quintal da mãe
Secou, como secaram outras lousas em mim
O último da trilogia, antes de ser no corpo
Precisa ser concebido na alma
Mas nem sempre é assim, dolorosamente não

Rádio, Escritórios privados
Ministério público, Negócios
Sala de aula (uma paixão!)

Medos, alguns, o maior deles?
Medo de mim, e das múltiplas determinações

Meu pai – o meu Pai!
Já sem o mesmo vigor, sem a mesma força
A precisar de apoio para continuar a caminhar
Esse que sempre me viu mais missionária/ menos economista,
Expectativas quebradas? Não sei…
Esse que rasga sorrisos de alegria, quando saias substituem yessicas
Esse meu pai, alguma rigidez, mas um exímio educador!

Ah – as manas - cada uma especial, em cada época
A comadre e amiga da adolescência
A mana segunda mãe na infância
E a outra mana - mãe nos tempos de faculdade
Todas juntas: Muito especiais!

Os manos? – Uma estrofe a parte! de um outro capítulo.

Outro dia uma xobinha (é assim q fala a geraçao Y) perguntou-me
Se acreditava em alma gémea,
Eu disse que acreditava em óptimas parcerias, mas,
No dia seguinte descobri, que a historia é impressionante:
Primeiro conta-se a dos vencedores (dificilmente é a real!)
Mas anos depois -50?- nas páginas pode-se ler a história real
"E o que isso tem a ver com alma gémea?"
Ah, não sei….algumas vezes viajo, divago…

Depois de tudo, caminhei comigo de mim para mim, mãos dadas
E lembrei o RioKhulo, Lá Gran Via de Madrid, Paris, Okapuka , Bruxelas, Cape Town, …
E vi que na ânsia de vencer o desejo de voltar,
Há uma ponte por atravessar, ou mesmo quebrar
Outra barreira por vencer, outra determinação a seguir

E no fim de tudo isso… MINHA VIDA?
Uma canção em dó (ou tom?) maior!
- notas sempre confundem-se com tons…

6 comentários:

L.S. Alves disse...

Pedra que rola não cria limo. E a vida está aí pra rolar e ser rolada. Um abraço e boa caminhada.
...
phlin

ANNA MATHAYA disse...

Brigada L.S.ALves, vou em frente nessa caminhada da redescoberta de mim!

Soberano Canhanga disse...

Ana,
Desejo-te o triplo da idade.
Diz-me como está o teu mano> sabes quem pergunto. É um "kota do caraças".

Beijo.

KImdaMagna disse...

.... com 35, 40 ou 25 anos saúdo a sua reaparição, partilhando "caminhadas"

xaxuaxo

FRAGATA DE MORAIS disse...

Prezada Conterrânea Ana,

Poderá ser de interesse para ti dares uma vista e (visita) de olhos no meu blogue:

www.literaturafragatademorais.blogspot.com.

Com um abraço-
FM

Rosa Soares disse...

Quando leio textos tão perfeito pergunto-me porquê que autores do género nao são famosos, alias, raramente leio textos do género.
Gostaria de fazer-te um pedido especial: NUNCA pares de escrever. Tu tens um dom natural e é lindo quando uma combinação de palavras nos faz sentir e descobrir tantas coisas boas... Eu me li e me reli nas tuas palavras e agradeço-te por transmitir tantas emoções.
Já pensaste em publicar um livro?Tenho uma sugestão para ti...
O meu e-mail é rosasoares56@hotmail.com
O meu blog é soentrenosmulheres.blogspot.com
Bjinhos, Rosa.